Sol e alergias

Sintomas de alergia ao sol

Como saber se você tem alergia ao sol? É simples: após a exposição ao sol, sua pele fica vermelha e com prurido. A alergia ao sol (ou lucite, como é medicamente conhecida) manifesta-se como vermelhidão: uma erupção de pequenas espinhas ou pápulas vermelhas levemente elevadas e sensações de coceira no local exposto ao sol.   Se manifesta com mais frequência em áreas expostas como o colo, ombros, braços, mãos e pés. Existem diversas formas de alergia ao sol.
 

erupção polimórfica à luz

A erupção polimórfica à luz é a forma mais comum de alergia ao sol. Afeta principalmente mulheres jovens, principalmente no colo, mas pode afetar qualquer outra área que tenha sido exposta, com a notável exceção do rosto. A reação ocorre após a primeira ou segunda exposição ao sol durante o verão. Pode tornar a sua vida um inferno por uma semana, mas tem a vantagem (se é que pode ser chamada assim) de não se repetir após uma nova exposição ao sol na mesma estação, como se a pele tivesse se acostumado ao sol. Dito isto, a erupção polimórfica à luz provavelmente voltará a cada ano.

 

Lucite polimórfica

A lucite polimórfica é menos comum, mas mais problemática, pois afeta qualquer área exposta, inclusive o rosto, e ocorre após cada exposição, seja no início, no meio ou no final do verão. Este tipo de alergia ao sol provavelmente também voltará nos anos seguintes.

 

Erupção juvenil da primavera

A alergia ao sol também afeta as crianças. A erupção juvenil da primavera em particular é uma forma de alergia ao sol que afeta os ouvidos de crianças e adolescentes, mais frequentemente meninos do que meninas, e muitas vezes durante uma estadia nas montanhas.

 

Urticária solar

Finalmente, urticária solar se desencadeia poucos minutos após a exposição e desaparece espontaneamente na sombra após alguns minutos ou horas, dependendo do indivíduo. O resultado é o aparecimento de manchas espessas, vermelhas, com coceira, semelhantes a picadas de urtiga. 

 

 

  • <span class="ezstring-field">av_solaires_lucite_estival_4x5_2025x2880</span>
  • <span class="ezstring-field">av_solaires_lucite-polymorphe_4x5_2025x2880</span>
  • <span class="ezstring-field">av_solaires_urticaire-solaire_4x5_2025x2880</span>

Os benefícios e danos do sol na pele

Como tratar a alergia ao sol

Embora haja várias maneiras de tratar a alergia solar, o primeiro passo para limitar o risco é limitar a exposição ao sol.
Sua proteção contra o sol
Tratamentos disponíveis
O primeiro tratamento para a alergia ao sol é evitar a exposição solar: sem a luz solar, não pode haver lucite! Portanto, é essencial conhecer (e respeitar) as regras de exposição ao sol e proteger sua pele com roupas, chapéu, óculos escuros, e escolhendo a proteção solar certa para seu tipo de pele
Além de limitar a exposição, você pode tomar suplementos alimentares vendidos em farmácias algumas semanas antes da primeira vez que sair ao sol e também durante toda a duração da sua exposição ao sol. Mas se estas simples medidas não forem suficientes, seu médico pode prescrever medicamentos, tais como antimaláricos sintéticos, para tomar durante as férias. Seu médico pode até recomendar o tratamento PUVA com um dermatologista, onde o UVA é distribuído à pele em doses gradualmente maiores. 

A DICA (SIMPLES) DO ESPECIALISTA 

A cada nova temporada de sol precisamos fomentar bons hábitos, pois nenhum tratamento pode oferecer uma cura definitiva. Não há necessidade de ficar triste se você tiver alergia ao sol: você não precisa ficar na sombra durante o verão! Bons hábitos solares podem ser aprendidos rapidamente e lhe trarão inúmeros benefícios. 

 

Qual é o papel da radiação UVA e UVB na alergia solar?

Enquanto o UVB é culpado pelo bronzeamento e queimaduras solares, a UVA é responsável pelas alergias solares. Por isso, é importante encontrar um produto com alta proteção solar, que proteja dos dois tipos de radiação UV.

 

1: Hipoderme; 2: Derme; 3: Epiderme; 4: UVA; 5: UVB

1: Hipoderme; 2: Derme; 3: Epiderme; 4: UVA; 5: UVB

A lucite afeta cerca de 10% dos adultos, com um número significativamente maior de mulheres afetadas, representando 90% dos casos. A maioria das pessoas afetadas são jovens adultos. A alergia pode ocorrer por alguns anos e depois desaparecer completamente.

Existem outras causas para a reação solar além da lucite?

Certamente: os sintomas da lucite de verão são os mesmos que os de outras causas. A lucite de verão não deve ser confundida com uma reação causada pela aplicação de um perfume ou outro produto fototóxico sobre a pele, ou pela administração de medicamentos fotossensibilizadores antes da exposição ao sol!

Na mesma gama

NOSSAS SOLUÇÕES PARA PROTEGER NOSSO FUTURO

Os produtos de cuidado com a pele Eau Thermale Avène são desenvolvidos para proteger a pele e respeitar os oceanos