Câncer de pele

Os números de cânceres de pele estão aumentando em todo o mundo.
A cada 14 segundos, um câncer de pele é diagnosticado no mundo. Um terço de todos os cânceres diagnosticados no mundo são cânceres de pele e 10% deles são fatais. Existem dois tipos de câncer de pele: os carcinomas, que são localmente malignos, e os melanomas, que podem se espalhar pelo resto do corpo e são o tipo mais perigoso de câncer de pele.
Quais são os sintomas, tratamentos e diagnósticos para cada tipo de câncer de pele? Que papel o sol desempenha no desenvolvimento do melanoma e como ele pode ser evitado?

O que é câncer de pele?

O câncer de pele é uma forma muito comum de câncer que afeta a epiderme. Ele cria raízes nos melanócitos, as células responsáveis pela produção de melanina, que se duplicam em números muito grandes até causar um tumor. Esta anormalidade melanócica é em grande parte devida à exposição UVA. Se detectado precocemente, o câncer de pele é um câncer benigno. A remoção do tecido canceroso é realizada com uma cirurgia local. Se o câncer for detectado tardiamente, o prognóstico é pior, especialmente se as células cancerígenas tiverem migrado e se espalhado pelo corpo.

O papel da radiação solar no câncer de pele. 

O sol tem uma ação cumulativa sobre a pele. Embora tenha alguns benefícios, como já vimos, o sol também apresenta muitos riscos: queimaduras de sol, alergia solar, envelhecimento da pele, etc. A exposição prolongada ao sol sem proteção também tem consequências prejudiciais sob a forma de danos ao DNA. Se os danos causados pelo sol forem muito extensos e se acumularem com o tempo, podem levar ao câncer de pele. Os raios solares incluem a luz ultravioleta (UV). Os raios UVC são os mais perigosos, mas são bloqueados pela camada de ozônio. Os raios UVB afetam as células da epiderme, enquanto os UVA podem alcançar as camadas mais profundas da derme e assim causar danos ao DNA. Recentemente, foi descoberto um novo inimigo para a pele: a radiação de luz visível (como a luz visível azul de alta energia). Estes raios são prejudiciais porque atacam todos os componentes celulares: lipídios, proteínas e DNA. Os danos se acumulam a longo prazo, daí a necessidade absoluta, quando se trata de saúde pública, de se proteger desde jovem e ao longo da vida. 

Diferentes formas de câncer de pele

Existem várias formas diferentes de câncer de pele, com dois tipos principais:

  • carcinomas, que são localmente malignos e para os quais a cirurgia geralmente é o suficiente, exceto em casos muito raros onde tratamentos oncológicos são necessários (90% dos cânceres de pele),
  • melanomas, onde as células se multiplicam rapidamente e têm a tendência de invadir o resto do corpo se a lesão for removida tarde demais: este é o tipo mais perigoso de câncer.
20-gouttes_logo_eta le don d_apaiser_ft carre

Os diferentes tipos de carcinoma

Ceratose actínica

A ceratose actínica (AK) é uma lesão pré-cancerosa causada pela exposição excessiva da pele ao sol; ela se desenvolve nas áreas expostas da pele. Este é considerado o primeiro estágio que leva ao desenvolvimento de cânceres de pele, como o carcinoma espinocelular.

Quem é afetado?

A queratose actínica é mais comum em pessoas altamente expostas ao sol, como marinheiros e pessoas que vivem em áreas rurais e montanhas. Na Europa, 15% dos homens e 6% das mulheres são afetados.

Como isso ocorre?

As queratoses actínicas raramente ocorrem como uma única lesão: elas se espalham amplamente para formar os chamados campos de câncer. No início são muito pequenas para serem vistas, o que significa que há sempre muito mais lesões invisíveis do que visíveis na pele. Em seguida, elas evoluem para manchas escamosas rugosas bem definidas que podem variar de cor, do vermelho ao marrom. (Fonte: Fundação Europeia do câncer de pele, Fórum Europeu de Dermatologia)

Tratamento

Remoção cirúrgica, aplicação de gelo seco ou nitrogênio líquido ou medicações tópicas. 

Carcinoma de células escamosas

O carcinoma de células escamosas (SCC), é o segundo câncer de pele mais comum.e Trata-se de um câncer altamente agressivo. Na maioria dos casos, os carcinomas de células escamosas são causados pela exposição ao sol de forma crônica. O carcinoma de células escamosas é um crescimento descontrolado de queratinócitos anormais. 40-60% dos carcinomas de células escamosas são decorrentes de queratoses actínicas não tratadas.

Quem é vítima do carcinoma de células escamosas?

Pessoas com mais de 60 anos e pessoas que trabalham em profissões particularmente expostas (agricultores, marinheiros, trabalhadores da construção civil, etc.). A cada ano, aproximadamente 1 em 1.800 pessoas são afetadas pelo carcinoma de células escamosas.

Como isso ocorre?

Este tipo de câncer é caracterizado por uma placa vermelha rugosa persistente com bordas irregulares. Também pode tomar a forma de uma ferida aberta arredondada com bordas elevadas. Aproximadamente 2 a 10% dos carcinomas de células escamosas se espalham subsequentemente para o sistema linfático e se tornam um risco para a vida. 

Tratamento

Tratamento cirúrgico, quimioterapia aplicada pela pele e tratamentos orais ou oncológicos, se o câncer tiver se espalhado.

Carcinoma basocelular

O carcinoma basocelular (CBC) é o tipo de câncer de pele mais comum, mas menos agressivo, de todos os cânceres de órgãos. Normalmente causados por uma combinação de exposição cumulativa e intensa à radiação UV e exposição ocasional, carcinomas basocelulares se desenvolvem a partir das células basais da pele, na camada mais profunda da epiderme.

Quem é vítima do CBC?

A cada ano, aproximadamente 1 em 1.500 pessoas são afetadas pelo CBC. Eles afetam principalmente pessoas com mais de 50 anos e são mais comuns em homens do que em mulheres.

Como isso ocorre?

Este tipo de câncer aparece sob a forma de nódulos, manchas, feridas ou nódulos de pele anormais de cor vermelha ou rosada em áreas muito localizadas: rosto, pescoço, mãos, etc. Eles podem causar grandes danos cosméticos se o crescimento for permitido, mas normalmente não se espalham para outros órgãos e só raramente ameaçam a vida. (Fonte: Fundação Europeia do Câncer de Pele, Fórum Europeu de Dermatologia)

Tratamento 

No caso de tumores superficiais, a cirurgia é o tratamento de preferência, mas o médico também pode usar medicação tópica.

Melanoma

O melanoma é o tipo mais perigoso de câncer de pele. Corresponde a 5% dos cânceres de pele e 1% dos tumores malignos.

O melanoma se desenvolve como resultado de uma intensa exposição ao sol (queimadura solar) e não como resultado de um acúmulo de exposição solar a longo prazo, e tende a ocorrer em pessoas com uma predisposição genética. O tumor pode ocorrer em uma pinta pré-existente ou em uma pinta recém-sintetizada. Ela tem origem nos melanócitos, as células que produzem melanina. O melanoma se espalha relativamente cedo para outros órgãos por meio de metástases.

RESPONDEMOS ÀS SUAS PERGUNTAS

Como é diagnosticado o melanoma?

Um melanoma aparece frequentemente como uma mancha ou protuberância marrom ou multicolorida, assimétrica, irregular que aumenta de tamanho com o tempo e não é desconfortável ao toque. Pode aparecer plana e depois se tornar mais proeminente. Em casos raros, pode não ser pigmentado. Sua semelhança com uma pinta pode, às vezes, tornar o diagnóstico difícil. Em caso de dúvida, um dermatologista deve ser consultado para uma biópsia. (Fonte: Fundação Europeia do câncer de pele).

O local onde ocorre o câncer de pele varia de acordo com o tipo de melanoma, o sexo da pessoa e seu fototipo. Em geral, os melanomas malignos são encontrados nos membros inferiores, tronco, cabeça e mais raramente nos membros superiores em caucasianos, enquanto as solas dos pés e as membranas mucosas são mais comuns nos negros.

Embora haja uma variedade de fatores (químicos, físicos, medicinais, nutricionais, virais), a exposição intensa e repetida de certas partes do corpo ao sol parece desempenhar um papel ativo no aparecimento de melanomas. Por isso, é importante permanecer protegido do sol, respeitando as regras de exposição e escolhendo uma boa proteção, especialmente para pessoas dos grupos de fototipos 1 e 2, que são particularmente sensíveis aos melanomas: a prevenção por si só não é suficiente para retardar o aparecimento de tumores.

O diagnóstico precoce aumenta as chances de uma cura. Diagnósticos posteriores requerem um tratamento mais extensivo para evitar a propagação das células cancerígenas pelo corpo. A prevenção por si só não pode impedir que este tipo de tumor se desenvolva.
O tratamento do melanoma varia de acordo com o estágio de desenvolvimento: Os melanomas nos estágios I e II são tratados por cirurgia. Os melanomas no estágio III são tratados com cirurgia e às vezes com inibidores Braf/Mek ou imunoterapia. Os melanomas no estágio IV são tratados com cirurgia, inibidores Braf/Mek ou imunoterapia.

A DICA (SIMPLES) DO ESPECIALISTA 

Queimaduras solares e exposição frequente: cuidado!

Sua pele se lembra de tudo, como um filme fotográfico, desde muito cedo. Em termos de queimaduras solares, você tem, portanto, uma “cota” que não deve exceder. É globalmente aceito são necessários de 10 a 15 anos de exposição excessiva para provocar câncer. Portanto, cuide de seu capital solar!

Para evitar que o melanoma se desenvolva, você deve aprender prestar atenção às suas pintas. Manchas pigmentadas (e pintas) são consideradas suspeitas quando apresentam mudanças assimétricas de textura, contorno e cor. Caso tenha alguma dúvida, consulte um dermatologista.

O compromisso da Eau Thermale Avène com a prevenção do câncer

O compromisso da Eau Thermale Avène com a prevenção do câncer

Eau Thermale Avène está empenhada em trabalhar com a Fundação Europeia do câncer de pele para conscientizar, educar e prevenir os cânceres de pele. E há 30 anos, graças a sua experiência única em fotoproteção, a Eau Thermale Avène tem trabalhado para criar produtos de proteção solar de alta qualidade e alto desempenho que garantem ótima proteção.

NOSSO COMPROMISSO COM A PREVENÇÃO DO CÂNCER
Na mesma gama

NOSSAS SOLUÇÕES PARA PROTEGER NOSSO FUTURO

Os produtos de cuidado com a pele Eau Thermale Avène são desenvolvidos para proteger a pele e respeitar os oceanos